DA INSTITUIÇÃO DA IGREJA VISÍVEL – PARTE 1

Traduzido e adaptado por diác. Wallas Pinheiro

UMA CONSIDERAÇÃO DE CERTAS CONTROVÉRSIAS – POR WILLEM APOLLONIUS (1602 – 1657)

Julgamos que uma igreja visível em particular é devida e corretamente constituída de acordo com o padrão das igrejas erigidas pelos Apóstolos; a saber, quando possível, fundada em um local sob a supervisão de um pastor e presbíteros adjuntos, com culto regular a Deus para a edificação mútua da igreja. Porém, quando em função da quantidade de pessoas que Deus diariamente adiciona à igreja (ou por outra causa), não pode se reunir em um único local, exerce a adoração a Deus e a obra do ministério em vários lugares, sob mais pastores e presbíteros juntos em um Consistório, Presbitério ou Classe [Nota do tradutor: na igreja holandesa, “Classe” era algo semelhante ao nosso conceito de Presbitério]. A instituição de tal igreja, dizemos, está em pleno acordo com a Palavra de Deus e com a instituição apostólica. Portanto, concebemos que a igreja visível descrita na sagrada Escritura, não é simplesmente uma paróquia ou igreja particular, mas é também uma igreja Nacional ou Universal, dispersa pelo reino, e por todo o mundo; em uma comunhão se faz um único corpo católico [Nota do tradutor: o termo “católico” tem o sentido de “universal”, isto é, de um único corpo eclesiástico espalhado pelo mundo, não de Igreja Católica Romana]. Afirmamos que o nome “igreja” na Escritura é aplicado a uma companhia de presbíteros com jurisdição eclesiástica reunidos pare resolverem os assuntos da igreja.

Portanto, no que diz respeito à igreja visível, instituída pela Palavra de Deus, defendemos as seguintes posições:

  1. Presbitérios

Afirmamos que a instituição de tal igreja, pelo motivo de sua quantidade de membros, impede sua reunião ordinária em um único local para adorar a Deus e exercer suas ordenanças; portanto, é justo e concordante com a Palavra de Deus e com a instituição apostólica que se exerça a adoração a Deus e o trabalho do ministério em diversos lugares, sob vários pastores e presbíteros juntos em um único Presbitério. E isso se prova por:

                1 – A instituição da Igreja de Jerusalém fundada pelos apóstolos, que não podia se encontrar em um único local, mas se distribuiu em várias casas, sob a supervisão de vários pastores: ainda assim havia uma igreja visível, que é chamada na Escritura de uma igreja, no singular. O número de membros daquela igreja era enorme, visto que três mil pessoas foram adicionadas em um único dia (At 2.41), e o número dos que creram posteriormente chegou a cinco mil homens (At 4.4), e diariamente eram acrescentados homens e mulheres a ela (At 5.14; 2.47); em tempos de perseguição se encontraram de casa em casa diariamente (At 2.46 e 5.42) para a adoração a Deus.

                2 – A Igreja de Éfeso, devidamente constituída de acordo com a Palavra de Deus, era uma igreja (Ap 2.2), que ainda assim era governada por diversos pastores em um Presbitério por jurisdição eclesiástica (At 19.8, 9 e 20.17, 18), e que também possuía muitos membros, como Atos 19.10, 17-20 e 20.20, 21; 1ª Coríntios 16.8; Apocalipse 2.2, 3 parecem apontar. É impossível que toda essa multidão se reunisse em um único local ou casa para adorar a Deus. É certo, para nós, portanto, que eles se reuniam em diversas casas, em momentos diferentes, sob a supervisão de vários pastores.

3 – A Igreja de Roma não se encontrava em um único local para a adoração a Deus, havia assembleias solenes em mais lugares. Havia uma igreja na casa de Áquila e Priscila (Rm 16.3). Paulo, quando em Roma, reuniu a igreja em sua própria casa (At 28.23, 30, 31), mas não era toda a igreja (coletivamente falando) – a igreja dos crentes que tinham sua fé anunciada em todo o mundo (Rm 1.8). Há outros exemplos, nas escrituras, de igrejas que não se reuniam em um único lugar, mas em vários, com um único Presbitério, exercendo sua adoração a Deus, com pastores em suas atividades santas (como a Igreja de Corinto e a de Antioquia). De mesmo modo, algumas igrejas belgas em cidades grandes, tendo mais crentes do que o que se pode ter em um único local para o culto a Deus, se espalharam em vários locais; ainda assim, não formam várias igrejas distintas, mas uma igreja visível, sob um Presbitério em comum e o governo de vários pastores.

Traduzido do site Purely Presbyterian, no link: https://purelypresbyterian.com/2021/06/14/the-church-as-an-institution-willem-apollonius/

Imagem do topo: NeONBRAND, Unsplash. Domínio Público

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s