DA INSTITUIÇÃO DA IGREJA VISÍVEL – PARTE 3

Traduzido e adaptado por diác. Wallas Pinheiro

UMA CONSIDERAÇÃO DE CERTAS CONTROVÉRSIAS – POR WILLEM APOLLONIUS (1602 – 1657)

3. A IGREJA CATÓLICA OU UNIVERSAL [nota do tradutor: o termo “católico” é usado durante todo o texto no sentido de “universal” ou “mundial”, isto é, abarcando a igreja por todo o mundo e não de uma única região ou localidade]

Afirmamos que há uma igreja universal e externa descrita nas Escrituras, dispersa por todo o mundo, formada visivelmente por um corpo orgânico eclesiástico, sob o qual estão todas as igrejas Particulares, Classes [nota do tradutor: no contexto holandês, Classe era um conceito semelhante ao nosso conceito de Presbitério], Provinciais e Nacionais, como parte de um todo. E podemos provar tais asserções pelas Escrituras:

1 – De 1ª Co 12.28 “a uns Deus pôs na igreja” etc., vemos que a palavra igreja quer significar que um corpo é constituído de vários membros, mencionado no versículo 12. Não é descrito, neste texto, a igreja invisível e mística de Cristo, como tal, mas a Igreja visível e externa: aquela que é distinguida pelo sacramento visível ou sinal do batismo (v. 13) – consistindo de vários membros heterogêneos externos e órgãos (v. 15-18). A estes é dado por Deus várias administrações externas para a edificação, como é dito no versículo 28. Porém, é sujeito a cismas e separação (v. 25). Nenhuma igreja particular é descrita aqui, mas a Igreja Católica ou Universal. Nesta igreja se encontram reunidos gregos e judeus (v. 13). A estes foram dados, por Deus, Apóstolos, Profetas, Mestres, Pastores, os dons de línguas e milagres, etc. (v. 28). Todas estas coisas não foram dadas a uma igreja particular, mas para a igreja Católica visível. Neste texto, portanto, é descrito uma igreja universal.

2 – Pela Palavra de Deus há comunhão eclesiástica e amizade entre todas as igrejas visíveis de todo o mundo. Portanto, devemos reconhecer que Cristo estabeleceu um único corpo da Igreja. Pois há, entre elas, comunhão interna e uma obrigação de deveres mútuos do Cristianismo (Ef. 4.3-6), que também são requeridos da irmandade eclesiástica e comunhão na exortação, reprovação, conforto e edificação de todos; estando nós ligados oferecemos orações e ações de graças a Deus no Ministério da Igreja, ao lado de todas as igrejas do mundo. Para se reduzir as igrejas que se perdem, etc., a comunhão dos membros de um igreja particular é mantida entre elas, e a mesma proporção deve ser mantida nas igrejas Provinciais e Nacionais, para edificação mútua e crescimento do corpo de Cristo, que pela comunhão eclesiástica de todas as Igrejas Nacionais formam uma única igreja de corpo eclesiástico universal.

3 – Também vemos na Escritura reuniões eclesiásticas que representam toda a Igreja Católica e Universal do mundo. Nessas reuniões são resolvidos os negócios da Igreja Católica (Universal) do mundo. Em Atos 1, a reunião eclesiástica se dá pela pregação da Palavra e exercícios de disciplina ou governo da igreja (versículos 15,16,26), e tudo isso no nome da Igreja Católica; pois há pastores de toda a igreja, os apóstolos (enviados por todo o mundo – Mt 28.19) com irmãos da Galiléia e de Jerusalém (v. 15), e foram resolver questões da Igreja Universal, a saber, a eleição de um Apóstolo para pastorear a Igreja. Eles foram resolver as questões no que diz respeito ao governo e cuidado da igreja, representando a igreja do mundo inteiro. Em Atos 15.22, a reunião dos Apóstolos, presbíteros e irmãos é chamada de uma Igreja, que por poder ordinário prescreveu decretos eclesiásticos e cânones para toda a igreja dos gentios, e colocou sobre eles uma jurisdição, não nacional nem provincial, muito menos paroquial; mas como um ato da Igreja Católica.

Os mestres reformados também reconhecem uma igreja católica visível: veja Walaeus em loco de Ecclesia militante, p. 458; onde, explicando a natureza da igreja visível, depois de defini-la, ele afirma que

“esta Igreja visível é considerada de dois modos: ou universalmente, pois a igreja que prega a palavra é chamada para fora do mundo, o que, em outros lugares, é chamado de Católico, ou particular, considerada um grupo limitado a um certo lugar”

Veja também a posição do professor Leyden, que afirma que a “Igreja Visível é confundida por alguns com uma igreja particular, e a Invisível com a universal. Mas nós – salvo melhor julgamento – pensamos que tais coisas não podem ser confundidas” e também diz

“Esta Igreja Visível é considerada de dois modos, ou como um certo grupo particular em uma vila, cidade ou província, aqueles, a saber, que são colocados juntos não apenas em uma comunidade de fé e Sacramentos, mas também na forma externa do governo e ritos eclesiásticos; ou também uma certa companhia ecumênica e universal dispersa pelo mundo, embora sua forma externa de governo e ritos circunstanciais possam diferir entre si, mas concordando essencialmente com a comunidade da Fé e Sacramentos: algo que também nos diz Cipriano ‘O bispado é um, mas cada um retém uma parte’”

Traduzido do site Purely Presbyterian, no link: https://purelypresbyterian.com/2021/06/14/the-church-as-an-institution-willem-apollonius/

Imagem do topo: NeONBRAND, Unsplash. Domínio Público

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s